O recém-eleito eurodeputado pelo MPT, Marinho Pinto, mostrou vontade em integrar o grupo parlamentar europeu de os Verdes, mas o seu desejo pode não ser aceite. Marinho Pinto já se manifestou diversas vezes contra a adoção de crianças por casais do mesmo sexo e as suas declarações foram consideradas «homofóbicas», escreve o jornal «Público».

Helmut Weixler, porta-voz do grupo parlamentar dos Verdes, afirmou ao «Público» que o grupo vai analisar «se essas declarações são compatíveis com o nosso programa». Os Verdes são a quinta maior força política no Parlamento Europeu, com 52 eleitos. Esta semana, já terão ocorrido contatos exploratórios do Movimento Partido da Terra (MPT) com uma delegação do grupo, que decorreram num «ambiente amigável», mas ainda não há conclusões.

Antes da decisão final, que deverá ser tomada e conhecida na próxima semana, o grupo parlamentar europeu ainda quer ouvir o partido português «Os Verdes», que pertence à sua família ecologista europeia. Tal como Rui Tavares, que após a rutura com o Bloco de Esquerda de juntou aos «Verdes».

No entanto, ainda segundo o «Público», o ex-bastonário dos Advogados também está em «contatos exploratórios com o grupo dos Liberais, o terceiro maior com 59 deputados.

Apesar falarem em «declarações» de Marinho Pinto, os responsáveis políticos europeus, não revelaram a que «declarações» se referiam.

Recorde-se que sobre o tema da adoção de crianças por casais do mesmo sexo, Marinho Pinto defendeu, e defende, que «o desenvolvimento harmonioso da personalidade da criança exige um pai homem e uma mãe mulher ¿ e não um homem a fazer de mãe e uma mulher de pai». Aliás, já esta semana em Bruxelas, o advogado terá voltado a manifestar a mesma opinião.