O Governo Regional dos Açores rejeitou esta quarta-feira que os utentes de São Miguel ou da região autónoma estejam a pagar mais pelos cuidados de saúde na área da Medicina Física e Reabilitação, como acusou o líder regional do PSD.

Na terça-feira, o presidente do PSD/Açores, Duarte Freitas, disse que, devido à alteração do regime de reembolsos, “nos últimos meses, só na área da fisioterapia, os utentes da ilha de São Miguel terão despendido um milhão de euros a mais” para acesso a cuidados médicos nesta especialidade do que aquilo que acontecia no anterior regime de reembolsos.

Duarte Freitas, que se reuniu com a administração da Unidade de Saúde da Ilha [USI] de São Miguel, afirmou que as "políticas de cortes e de centralizações" do Governo Regional estão a "prejudicar" o acesso dos açorianos aos cuidados de saúde.

Na reação, a Secretaria Regional da Saúde assegurou que a Portaria dos reembolsos e das convenções "veio melhorar a prestação de cuidados de saúde nesta área", alegando que os "utentes deixaram de ter de pagar para depois serem reembolsados, passando a beneficiar do acesso gratuito aos cuidados de Fisioterapia, através do hospital ou da rede de convencionados".

“O montante referido pelo líder do PSD/Açores continua a ser suportado pelo Serviço Regional de Saúde, e não pelos utentes, conforme é dito erradamente", pois "está a ser pago pelo Hospital do Divino Espírito Santo, de Ponta Delgada, ao sistema convencionado, sendo, por isso, lógica a sua redução no sistema de reembolsos da Unidade de Saúde de Ilha”.

O Governo Regional refere, ainda, que "no decurso da reunião com o Conselho de Administração da USI, a informação foi transmitida de forma correta" ao líder do PSD/Açores.

"É lamentável e configura uma manobra política desleal utilizar de modo errado a informação obtida, induzindo deliberadamente os açorianos em erro", sustenta uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social (GACs) do Governo Regional.