António Costa e Jerónimo de Sousa estiveram reunidos nesta quarta-feira para tentar fechar o acordo que permitirá à esquerda apresentar uma alternativa de Governo, testemunhou a TVI no local. A reunião entre PS e PCP durou mais de duas horas e meia.
 
O líder do Partido Socialista chegou sozinho à sede dos comunistas, pouco passava das 21:30.
 
Minutos depois chegou o presidente do partido, Carlos César, e os deputados Pedro Nuno Santos e Ana Catarina Mendes, três dos socialistas que têm participado nas reuniões bilateriais com PCP, Bloco de Esquerda e Verdes.
 
O encontro desta noite, que se realizou ao mais alto nível, com a presença dos líderes, é considerado decisivo para tentar ultrapassar os últimos obstáculos que separam um acordo com o PCP.
 
O PS marcou para sábado e domingo reuniões das comissões nacional e política precisamente para dar conta ao partido do que ficou decidido com PCP, BE e Verdes

Esta quarta-feira a porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse, em entrevista à SIC, que está "certa" de que haverá um acordo à esquerda para a formação de um Governo da iniciativa do PS. A dirigente bloquista reconheceu que o acordo é "muito complexo", avançando que pretende "travar a queda de rendimentos do trabalho". 

Os socialistas, de resto, já sublinharam que só derrubarão o Governo se for alcançado um acordo entre PS, PCP E BE. Carlos César prometeu que o PS só agirá no sentido de contribuir para a queda do Executivo se for "simultaneamente" portador de uma "alternativa responsável estável e com sentido duradouro".

Mas dentro do PS, há quem não veja com bons olhos esta aliança à esquerda. Francisco Assis, um dos pesos pesados do partido, não concorda com o rumo que o secretário-geral do PS está a dar ao partido e não está sozinho nesta posição. Assis tinha marcado um encontro este sábado com cerca de 100 militantes socialistas que se opõem à formação de uma "frente de esquerda", mas foi obrigado a adiar o encontro por coincidir com a realização da Comissão Nacional do PS.

Ainda assim, Assis fez questão de deixar um recado a António Costa, apelando, esta quarta-feira, a que a reunião da Comissão Nacional do PS, decorra num ambiente "livre e leal" na discussão sobre a eventual formação de um Governo de esquerda.