O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, diz que António Costa vai ser “o primeiro a reclamar eleições”, se o programa do Governo de coligação for chumbado na próxima semana pela esquerda que detém a maioria no Parlamento.

“António Costa será o primeiro a reclamar eleições. Acho que o deve fazer e acredito que vai ter coragem para o fazer. Ele foi o segundo partido mais votado nas eleições, foi derrotado, três derrotados não dão um vencedor e, portanto, António Costa para ter legitimidade política seguramente quererá, na boa ética republicana, devolver a voz do povo à população e aquilo que é a coligação que ele apresenta, se apresentar”, afirmou Aguiar-Branco, nesta quarta-feira, entrevistado no Jornal das 8.

Para o governante, se o acordo entre os partidos de esquerda “sequer existir” será um acordo “não sério” em que tanto PS como PCP perdem a sua integridade. 

“Não temos neste momento um quadro estável que permita concluir que esse acordo vai sequer existir. Temos assistido nos últimos tempos a uma conspiração de secretaria, a uma anormalidade face aquilo que aconteceu perante os resultados eleitorais. E não sabemos o que vai acontecer. Será um acordo onde o partido Socialista deixa de ser Partido Socialista ou os Comunistas deixam de ser comunistas, será sempre um acordo não sério”, argumentou. 

Por isso, defendeu Aguiar-Branco, “seguramente, António Costa não deixará nessa altura de ser ele a reclamar eleições para que possa devolver esse sentido de ética republicana que tantas vezes é falada mas que depois não é praticada”. “E o valor máximo da ética republicana é a voz do povo”, reiterou.