O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, considerou hoje que os discursos do Presidente da República e do presidente da Câmara de Lisboa na sessão solene comemorativa da implantação da República estiveram à altura das «melhores expetativas».

«Queria hoje salientar apenas que quer a intervenção do senhor presidente da Câmara, quer do senhor Presidente da República, estiveram à altura das melhores expetativas da data que hoje assinalamos», afirmou Passos Coelho.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas no final da cerimónia, que decorreu no Salão Nobre da Câmara Municipal de Lisboa.

Na sessão, o Presidente da República apelou à confiança nas instituições, advertindo que ninguém está acima da lei, mas também que ninguém «possui o monopólio da ética».

Cavaco Silva fez ainda a defesa do rigor e da exigência no ensino, e do «reconhecimento do papel insubstituível dos professores».

Por seu lado, o presidente da Câmara de Lisboa, recém-eleito para o terceiro mandato, defendeu que a crise que o país atravessa tem de ser vencida sem secundarizar a democracia e as suas regras.

CDS-PP enaltece «discurso pedagógico» de Cavaco Silva

Já o CDS-PP enalteceu o «discurso pedagógico» do Presidente da República.

«Foi um discurso pedagógico sobre valores importantes como a igualdade dos cidadãos perante a lei, o exercício do poder em nome do bem comum, a relevância de uma escola exigente para a mobilidade social», declarou a deputada centrista Teresa Caeiro, numa mensagem escrita enviada à agência Lusa que se seguiu à cerimónia desta manhã.