Marcelo Rebelo de Sousa negou, nesta sexta-feira, que o seu cumprimento a Teresa Leal Coelho no Chiado, no último dia de campanha, represente "qualquer apoio" à candidata do PSD à Câmara de Lisboa.

O esclarecimento surgiu esta noite em comunicado divulgado no site da Presidência e depois de Teresa Leal Coelho ter afirmado ao jornal Observador que o Presidente da República lhe tinha ido manifestar o seu apoio.

“Veio dar-me uma palavra amiga, de apoio”, disse a candidata ao jornal online, sobre o breve encontro que teve com Marcelo.

Palavras que o chefe de Estado vem agora desmentir, esclarecendo que, além de ter sido a candidata a deslocar-se para o cumprimentar, "nada neste encontro" pode ser interpretado como "qualquer apoio".

Como é evidente, o Presidente da República não apoia nenhuma candidatura eleitoral e reprova qualquer tentativa de aproveitamento ou manipulação da sua posição. Esta tarde, quando se dirigia da Igreja do Loreto para Belém, cruzou muitos lisboetas em diversas ações de campanha, de pelo menos três partidos, que saudou como sempre faz; quando estava no carro parado no trânsito, cruzou uma quarta candidatura, tendo a cabeça de lista atravessado a rua para o cumprimentar. Nada neste encontro autoriza qualquer interpretação de apoio específico."

Depois deste comunicado, Teresa Leal Coelho afirmou que o encontro desta tarde com o Presidente da República foi “casual” e que foram trocadas “palavras amigas” e não de apoio.

“Foi um encontro casual. Eu estava a terminar uma arruada no Príncipe Real, o Presidente da República passou, eu fui cumprimentá-lo. É sempre bom cumprimentá-lo, trocámos palavras amigas e não tem mais história do que isto."

A candidata social-democrata afirmou que se dirigiu a Marcelo Rebelo de Sousa, que “estava parado no trânsito”: "Eu fui à janela, cumprimentei-o, conversámos muito pouco tempo."

Antes, o Presidente da República tinha dito, também, à agência Lusa que quando foi à missa no Chiado se cruzou com apoiantes de várias caravanas eleitorais, não apenas a social-democrata.

Nas imediações da Igreja do Loreto, Marcelo encontrou pessoas das campanhas do PS, da CDU e do CDS-PP e que já seguia no carro, na Rua Dom Pedro V, quando Teresa Leal Coelho o avistou e atravessou a rua para o cumprimentar.