"Mas cortar pensões até quando e até que limite

"No curto prazo, é preciso libertar a sociedade portuguesa da asfixia em que nos encontramos, em que o Estado não pode investir porque não pode ultrapassar o défice, em que as empresas não podem investir porque não têm crédito ou capital para obter esse crédito e, finalmente, em que as famílias não podem consumir ou fazer os investimentos necessários porque não têm rendimentos. Temos de libertar o conjunto do Estado, das famílias e das empresas para poder relançar a economia", advogou


"Estas medidas terão aplicação gradual, avaliação e acompanhamento ao nível dos seus efeitos. Temos de nos bater por alcançar os objetivos, mas também temos de fazê-lo com cuidados e caldos de galinha. Temos de ter a capacidade de manobra de prosseguir os objetivos sem sacrificar outros objetivos que são da maior importância", advertiu, em resposta a quem adverte que o programa eleitoral socialista contém vários riscos.