A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua é uma «estrela» para a Bloomberg, que lhe dedica um artigo a propósito do seu papel na comissão de inquérito ao BES.

«A deputada de 28 anos do Bloco de Esquerda, o partido português equivalente ao partido grego anti-austeridade Syriza, tem sido catapultada para a ribalta com a sua perseguição obstinada aos responsáveis pelo maior colapso corporativo no país, numa geração», lê-se no texto.


O texto destaca as qualidades de Mortágua como a capacidade de questionar de forma «incisiva e direta» os intervenientes no caso BES, referidos pela Bloomberg como «os mais ricos e os mais poderosos». O artigo vai mais longe e afirma que, se há quatro anos atrás quase ninguém reconhecia o seu nome, agora, a bloquista tornou-se numa espécie de «heroína local».

Nos dois primeiros meses do ano as audiências do canal do Parlamento aumentaram 45% face ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Bloomberg, sugerindo que isto se deve à popularidade de Mortágua.

Uma popularidade que será o resultado de um bom trabalho de casa.

«Costumava ficar acordada até às 3:00 ou 4:00 da manhã para juntar todas as peças», afirmou a bloquista.

Formada em economia pela Universidade de Lisboa, Mortágua é «frequentemente vista a andar perto do edifício do Parlamento com um fato escuro e uns ténis Converse All-Star», descreve o artigo.

A deputada diz que está a lutar pelas pessoas que foram vítimas dos excessos do Grupo Espírito Santo.

 

«Recebo muitos emails de pessoas que perderam todo o seu dinheiro. A Justiça tem de ser servida.»


Recorde agora um dos momentos mais marcantes da comissão de inquérito no qual Mariana Mortágua «arrasou» Zeinal Bava