O fundador do PSD e antigo primeiro-ministro Francisco Pinto Balsemão apoia Rui Rio na disputa pela presidência do partido, anunciou esta sexta-feira a candidatura.

De acordo com uma nota à imprensa, é revelado que Francisco Pinto Balsemão, militante número um do PSD, será também o primeiro subscritor da candidatura de Rui Rio.

O militante nº 1 do Partido Social Democrata junta-se assim à lista de apoiantes, por entender que esta é a melhor solução para o PSD e para o país”, acrescenta a nota.

O fundador do PSD considera que o antigo autarca do Porto terá a "vontade e capacidade" para "reposicionar" o PSD no centro-esquerda.

Entendo que Rui Rio terá a vontade e a capacidade para reposicionar o PSD no lugar que lhe pertence, desde maio de 1974: o centro/centro esquerda do espetro político", vincou Balsemão, numa nota enviada à agência Lusa.

Antes, a candidatura de Rui Rio havia anunciado que Francisco Pinto Balsemão, militante número um do PSD, apoiava o social-democrata na corrida à liderança do PSD, sendo também o primeiro subscritor da candidatura de Rui Rio.

No texto endereçado à Lusa, Balsemão sustenta que Rui Rio e Pedro Santana Lopes "têm experiência política e provas dadas, pelo que não se verificará um vazio de poder no PSD", sublinhando ainda que, "nesta fase de transição, Pedro Passos Coelho tem sabido exercer as suas funções com eficácia, o que é de registar e louvar".

De todo o modo, o militante número um do PSD advoga que Rio "tem a maturidade necessária, a serenidade suficiente e a preparação adequada e a experiência profissional e política comprovada para liderar o PSD em todas estas e várias outras frentes".

O PSD que se pretende nesta fase, prossegue Francisco Pinto Balsemão, é um PSD "que lute por uma democracia que, como dizia Francisco Sá Carneiro, não pode ser apenas política, mas tem de ser também económica, social e cultural".

E concretiza: "Uma democracia em que os valores da igualdade e da solidariedade sejam tão relevantes como o valor da liberdade. Uma democracia onde os legítimos direitos dos trabalhadores sejam tão respeitados como os também legítimos direitos dos empresários. Uma democracia onde o papel do Estado não seja apagado por um neoliberalismo feroz e incontrolável".

Balsemão é o terceiro antigo líder do PSD a pronunciar-se sobre a disputa de liderança interna: Rui Machete declarou apoio a Pedro Santana Lopes, presidindo à sua Comissão de Honra, enquanto Manuela Ferreira Leite manifestou o seu apoio a Rui Rio.

Em junho de 2015, Balsemão já tinha instado Rui Rio a candidatar-se às eleições presidenciais que aconteceram em janeiro de 2016, dizendo que de todas as possíveis candidaturas esta é a que mais o entusiasma.

Os prazos vão encurtando. E o cavalo do poder raramente passa mais de uma vez à porta de quem o pode montar", afirmou.

Rui Rio acabou por não se candidatar a Belém, numas eleições que foram ganhas por outro antigo líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa.

Francisco Pinto Balsemão foi um dos fundadores do PPD/PSD em 06 de maio de 1974, com Francisco Sá Carneiro e Joaquim Magalhães Mota.

Advogado e jornalista, presidiu ao partido entre dezembro de 1980 e fevereiro de 1983. Foi ministro de Estado Adjunto no VI Governo Constitucional (1980) e primeiro-ministro dos VII e VIII Governos Constitucionais (1981-83).

Fundou e dirigiu o semanário Expresso (1973-80), foi deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República.

É fundador e presidente do grupo Impresa e preside ao Conselho de Administração da SIC, a primeira estação de televisão privada em Portugal.

O PSD escolherá o seu próximo presidente em 13 de janeiro em eleições diretas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de fevereiro.

Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.