Vítor Bento tomou posse, esta sexta-feira, como conselheiro de Estado, regressando ao órgão político de consulta do Presidente da República, que tinha abandonado em julho para ir para a administração do BES.

Também Alfredo Bruto da Costa deveria ter tomado posse como conselheiro de Estado, mas essa cerimónia ficou adiada porque o antigo ministro e professor universitário está doente.

Bruto da Costa irá substituir o antigo secretário-geral do PS António José Seguro, que renunciou ao lugar depois de abandonar a liderança socialista.

Os outros conselheiros designados pela Assembleia da República são Francisco Pinto Balsemão, Luís Marques Mendes, Manuel Alegre e Luís Filipe Menezes.

Esta tarde, à saída do Palácio de Belém, Vítor Bento escusou-se a prestar declarações à comunicação social.

O antigo presidente do Novo Banco tinha renunciado ao lugar no Conselho de Estado a 14 de julho, quando foi escolhido para liderar o BES.

Vítor Bento é membro do Conselho de Estado, o órgão político de consulta do Presidente da República desde julho de 2009, altura em que o chefe de Estado o nomeou conselheiro de Estado para ocupar o lugar deixado vago após a renúncia de Dias Loureiro.

Posteriormente, em março de 2011, Vítor Bento, então presidente do Conselho de Administração da SIBS, foi novamente indicado pelo chefe de Estado como membro do Conselho de Estado.

Além de Vítor Bento, neste segundo mandato em Belém, o Presidente da República designou como conselheiros de Estado João Lobo Antunes, Marcelo Rebelo de Sousa, Leonor Beleza e Bagão Félix.

O Conselho de Estado é composto por cinco cidadãos designados pelo Presidente da República e cinco cidadãos eleitos pela Assembleia da República e pelos titulares dos cargos de presidente da Assembleia da República, primeiro-ministro, presidente do Tribunal Constitucional, Provedor de Justiça, presidentes dos governos regionais e antigos presidentes da República.