O Presidente interino do Brasil, Michel Temer, confirmou o "compromisso inequívoco" do seu país com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), cuja presidência Brasília assumirá este ano.

"Confirmo o compromisso inequívoco do Brasil com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa - compromisso de primeira hora, que muito nos orgulha", afirmou Michel Temer, numa mensagem lida na cerimónia de comemoração dos 20 anos da CPLP, que decorreu na sede, em Lisboa.

O Presidente interino reafirmou ainda a "determinação brasileira" em prosseguir com a construção do "futuro de uma organização" que se quer "crescentemente afinada com os valores e com os interesses do conjunto de seus membros".

Na mensagem, lida pelo embaixador do Brasil junto da CPLP, Gonçalo Mourão, o vice-Presidente brasileiro, que atualmente exerce o cargo de Presidente, enquanto Dilma Rousseff está suspensa de funções, destacou que a conferência de chefes de Estado e de Governo que o Brasil "terá a honra de sediar este ano marcará a celebração" do que já foi conquistado até agora e, "ao mesmo tempo, representará a oportunidade adicional" para uma reflexão sobre os projetos comuns dos nove Estados-membros.

"Ao comemorarmos os nossos 20 anos, buscaremos novos avanços nas três grandes vertentes da CPLP: a concertação político-diplomática, a cooperação e a promoção e difusão da língua portuguesa", acrescentou.

Temer salientou que é responsabilidade dos países da organização "cultivar a língua portuguesa" e transformá-la num "instrumento ao serviço de um mundo mais próspero e justo".

O Brasil deverá assumir a presidência rotativa da CPLP na próxima cimeira, que deveria decorrer este mês - próximo do aniversário da comunidade, como é habitual -, mas que o Governo de Michel Temer remeteu para novembro, ainda sem data definida.

À sessão solene de comemoração do 20.º aniversário da CPLP, que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assistiram, entre outros, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues; o presidente do Supremo Tribunal Administrativo, António Almeida Calhau; a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal; a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro.

Estiveram ainda presente os embaixadores e representantes dos Estados-membros da CPLP, dos observadores associados e consultivos, o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, o chefe da Casa Real Portuguesa, Duarte Pio, e a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, como reporta a Lusa.