O Movimento 15 de Outubro convocou esta quinta-feira uma manifestação em frente ao Parlamento, na segunda-feira, para "correr de vez com a Direita", que tenta "vender o país" e a TAP a "contrarrelógio".

"A assinatura da Privatização da TAP, por um governo em gestão que foi chumbado nas urnas e no parlamento é um crime que deve ser revertido. Se nada for feito, Cavaco Silva vai arrastar este impasse, para prolongar a política de Passos", alertam os promotores da manifestação, intitulada "Passos, Portas e Cavaco, nunca mais".

Este movimento foi responsável por uma das maiores manifestações contra o anterior Governo, liderado por Passos Coelho, em protesto contra a pretensão de baixar a Taxa Social Única (encargo das entidades patronais com uma percentagem dos salários dos trabalhadores para a Segurança Social).

O Movimento 15 de Outubro acusa o Presidente da República, Cavaco Silva, de estar "obcecado em, no final do seu mandato, continuar a impor aos portugueses um governo e uma política que já foi chumbada nas ruas e nas eleições" e alerta que "Passos Coelho, Paulo Portas e o seu novo gangue recém-empossado continuam a tentar vender o país, a contrarrelógio".

"Basta! É preciso voltar às manifestações explosivas em frente ao Parlamento para assustar o poder, como em 2012 foi feito contra a TSU (Taxa Social Única). O povo deve voltar às ruas para chumbar a direita de vez e para exigir a reversão da privatização da TAP", diz a Plataforma 15 de Outubro, dizendo que é altura de "voltar às ruas".

Assim, convoca todos os trabalhadores, desempregados e pensionistas para a manifestação marcada para diante da Assembleia da República, pelas 18:00.

O movimento apela ainda à participação da CGTP, de Sindicatos Independentes, como os estivadores, assim como dos movimentos sociais e de todos os indignados.