O parlamento decidiu esta quarta-feira arquivar a petição que solicitava "a "demissão de Maria Luís Albuquerque como deputada", alegando que já foram afastadas incompatibilidades e impedimentos com o exercício do cargo de diretora não executiva do grupo britânico Arrow Global.

A decisão de arquivamento foi aprovada por unanimidade na reunião desta manhã da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e, desta forma, a petição já não irá ser discutida em plenário.

No relatório final da petição, elaborado pelo deputado socialista Fernando Anastácio, é referido que a subcomissão de ética da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias "já se pronunciou sobre o caso em concreto" e aprovou um parecer que afasta incompatibilidades ou impedimentos da deputada social-democrata Maria Luís Albuquerque, nomeada diretora não executiva do grupo britânico Arrow Global.

Os grupos parlamentares do PSD, CDS-PP, BE e PCP não se opuseram ao relatório apresentado, com o deputado comunista Jorge Machado a solicitar apenas que no relatório fosse explicitado que o parecer emitido pela subcomissão de ética foi aprovado por maioria, com os votos contra do PCP e do BE. O PSD e o CDS-PP votaram a favor do parecer e o PS absteve-se.

O parecer da subcomissão de ética da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais foi aprovado a 13 de abril, um mês e 10 dias depois da confirmação da contratação da vice-presidente do PSD e ex-ministra das Finanças pelo grupo britânico Arrow Global, com ligações ao Banif, Millennium BCP e Montepio.

O parecer atesta que as funções "não contendem com o seu mandato parlamentar, nem com o regime em que a mesma o exerce", mas recomenda a atualização da sua declaração de rendimentos junto do Tribunal Constitucional.