O líder parlamentar comunista defendeu esta sexta-feira uma «ofensiva diplomática» de Portugal junto dos parceiros europeus a favor da renegociação das dívidas soberanas, ao apresentar a sua proposta de uma conferência intergovernamental, no parlamento.

«Reafirmamos a necessidade de Portugal, particularmente o Governo português, assumir todas as diligências para a renegociação da dívida, incluindo a realização de uma ofensiva diplomática que é preciso levar a cabo, na qual se integra esta proposta de realização de uma conferência intergovernamental», afirmou João Oliveira.

O projeto de resolução do PCP impõe a renegociação da dívida pública portuguesa nos seus prazos, juros e montantes, a suspensão e revogação do Tratado Orçamental e recomenda ao executivo da maioria PSD/CDS-PP a concertação com os restantes Estados-membros da União Europeia da referida conferência intergovernamental.

«Esperamos que todos os partidos na Assembleia da República assumam posições convergentes com aquela que é a defesa do interesse nacional», desejou o deputado comunista, julgando que, «independentemente da recusa do processo de renegociação da dívida que os partidos que assinaram o pacto com a troika (PS, PSD e CDS) têm assumido», os mesmos possam constatar «o óbvio, que é a necessidade de renegociação da dívida».

Questionado sobre a atitude adotada pelo primeiro-ministro, Passos Coelho, relativamente à Grécia, João Oliveira descreveu-a como sendo «assumida em confronto e contraditória com os desenvolvimentos que se têm vindo a verificar na situação internacional».