O PCP pediu esta segunda-feira esclarecimentos ao Governo sobre a forma como está a ser feito o acompanhamento do surto de legionella e defendeu o reforço do número de profissionais para dar uma resposta segura aos doentes.

«O reforço dos profissionais de saúde é essencial para dar uma resposta adequada e segura aos doentes infetados com legionella. Se for necessário, o Governo deveria mesmo proceder à contratação extraordinária de profissionais de saúde», sustentou a bancada do PCP, em requerimento dirigido ao ministério da Saúde, entregue hoje no parlamento.

Manifestando «profundas preocupações» com o surto da doença do legionário no concelho de Vila Franca de Xira, as deputadas Carla Cruz e Paula Santos pediram esclarecimentos ao Governo sobre a forma como está a ser acompanhado.

As deputadas querem saber quais os hospitais públicos que estão de prevenção, se está previsto o encaminhamento dos doentes para hospitais privados e quantos profissionais de saúde, por carreira, estão de prevenção para tratar pessoas infetadas com a bactéria.

«Pondera o Governo proceder à contratação extraordinária de profissionais de saúde para a constituição das equipas adequadas para tratar os doentes», questionam as deputadas comunistas.

Por outro lado, o PCP quer saber «qual o tratamento e/ou terapêutica utilizada para o tratamento» da doença.

Num segundo requerimento, o PCP perguntou quais as hipóteses de origem do surto de legionella que estão sob investigação e qual o «plano de ação no terreno para a pesquisa da origem do surto» e com que meios.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) registou desde sábado até hoje 160 casos de doentes infetados com a bactéria legionella, todos oriundos do concelho de Vila Franca de Xira, dos quais quatro acabaram por morrer.