O deputado Luís Montenegro foi hoje reeleito presidente do Grupo Parlamentar do PSD com 87 votos favoráveis, correspondentes a 97,75%, numa votação em que participaram todos os 89 deputados da bancada social-democrata.

Segundo a ata desta votação, registaram-se dois votos em branco na lista de direção proposta por Luís Montenegro, que era a única candidata a estas eleições.

Luís Montenegro lidera o Grupo Parlamentar do PSD desde o início da anterior legislatura, tendo sido eleito pela primeira vez em junho de 2011 e reeleito em outubro de 2013.

Esta é a maior votação obtida por Luís Montenegro, que lidera o Grupo Parlamentar do PSD desde o início da anterior legislatura, tendo sido eleito pela primeira vez em junho de 2011, com 86% dos votos, e reeleito em outubro de 2013, com 87%.

A nova direção da bancada do PSD tem, no total, 12 vice-presidentes, seis dos quais são novos: Miguel Morgado, Berta Cabral, António Leitão Amaro, Sara Madruga da Costa, Sérgio Azevedo e Nuno Serra.

Hugo Soares, Carlos Abreu Amorim, Miguel Santos, Amadeu Albergaria, Adão Silva e Luís Leite Ramos foram reeleitos vice-presidentes.

António Rodrigues e Mónica Ferro, que deixaram de ser deputados, e Pedro do Ó Ramos, que tomou posse na semana passada como secretário de Estado do Mar, eram vice-presidentes na direção anterior e não fazem parte da nova equipa de Luís Montenegro.

Como secretários do Grupo Parlamentar do PSD, foram eleitos Ângela Guerra e Pedro Pimpão, que já ocupavam esse cargo. Na anterior legislatura, havia mais dois secretários: Nuno Encarnação e Luís Pedro Pimentel.

A lista proposta por Luís Montenegro inclui um quinto de mulheres. São três, num total de 15 elementos, incluindo o presidente do Grupo Parlamentar. Na anterior direção, havia também três mulheres, até à demissão da vice-presidente Teresa Leal Coelho, em janeiro de 2014.

Por sua vez, o deputado Nuno Magalhães foi reeleito presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP com a totalidade dos 18 deputados centristas a votarem a sua recondução, correspondendo a 100%.

Nuno Magalhães lidera a bancada do CDS-PP desde o início da anterior legislatura, tendo sido sucessivamente reeleito.

O líder parlamentar terá seguidamente de escolher os vice-presidentes da bancada, cargos ocupados anteriormente por Telmo Correia, Hélder Amaral e Cecília Meireles.

"Esta votação unânime orgulha-me pela confiança que os meus colegas demonstraram e eu procurarei estar à altura e, por isso mesmo, dá-me responsabilidade num momento político e numa legislatura particularmente difícil", disse Nuno Magalhães aos jornalistas no parlamento, após a votação, que decorreu entre as 11:00 e as 13:00, ocasião em que a bancada também se reuniu para preparar a discussão do programa do Governo.

Magalhães recusou adiantar quaisquer pormenores sobre o Programa de Governo, que é hoje aprovado em Conselho de Ministros, e insistiu no cumprimento dos compromissos eleitorais de PSD e CDS-PP eleitos na coligação pré-eleitoral Portugal à Frente.

"Há um programa eleitoral da coligação Portugal à Frente que foi o programa que venceu as eleições, que mereceu a confiança da maioria dos eleitores e é nesse programa que irei basear-me e irei tudo fazer para que possa ser cumprido: na recuperação faseada e responsável dos salários da Função Pública, na devolução sobretaxa, na recuperação de rendimentos das famílias, no desagravamento fiscal das empresas", declarou.

"Os passos constitucionais estão a ser dados. Haverá certamente um debate muito vivo na segunda e na terça-feira", acrescentou ainda sobre o debate do Programa do Governo.

O líder da bancada centrista reforçou ainda a disponibilidade para o diálogo: "Nesta casa [a Assembleia da República], o caminho de negociação e de compromisso é um caminho que se faz constantemente. Portanto, nunca fecho portas e o CDS nunca fechou portas, desde que seja para o bem do país".