O ex-presidente da República, Mário Soares, responsabilizou esta terça-feira Cavaco Silva por permitir as políticas «neoliberais e antidemocráticas» do Governo, durante o descerramento de uma placa com o seu nome numa rua e praça da Amadora.

«O Presidente só pensa no partido a que ele pertence, e isso é péssimo num Presidente que deve ser um homem que está ao lado de todo o público e de todas as pessoas, sejam elas quais forem», lamentou Mário Soares, sobre o apoio do atual Presidente da República às políticas da maioria PSD/CDS-PP que governa país.

Para o ex-presidente da República e fundador do Partido Socialista, Cavaco Silva «é tão responsável ou muito mais» do que o próprio Governo na governação levada a cabo nos últimos três anos.

O histórico socialista, à beira de completar 90 anos, esteve presente no descerramento de uma placa da «Avenida Dr. Mário Soares, Presidente da República, 09.03.1986-09.03.1996», na freguesia da Encosta do Sol, junto ao início da Estrada da Correia/Rotunda de Alfornelos.

Mário Soares agradeceu a distinção, que considerou «excessiva», e embora nunca tenha passado por dificuldades de dinheiro, criticou as políticas seguidas pelo Governo que têm maltratado os portugueses.

«O que é importante são os valores, o que é importante é ter uma grande igualdade entre as pessoas, entre a liberdade, e não estar a destruir toda a população portuguesa como se tem feito nestes três anos ou mais», vincou o ex-chefe de Estado.

Para o socialista, as políticas do atual Governo têm obrigado os portugueses «a fugir» e a passar por dificuldades, deixando parte da população «a dormir debaixo das pontes».

«Este Governo é antidemocrático e contra a liberdade. São neoliberais como eles dizem, mas o neoliberal não tem nenhum valor e portanto sempre fui contra este Governo e continuarei a ser até ao fim», frisou Mário Soares.

A presidente da Câmara da Amadora, Carla Tavares (PS), saudou Mário Soares «por tudo o que fez para democracia» e considerou «uma honra» ter o nome do ex-Presidente fique associado ao concelho, na avenida entre o viaduto da Circular Regional Interior de Lisboa (CRIL) e a rotunda nas traseiras do cemitério de Benfica.

Mário Soares reconheceu que sempre gostou da Amadora e recordou os tempos em que, juntamente com Joaquim Raposo, antigo presidente da câmara e atual presidente da assembleia municipal, levaram a cabo «muitas operações políticas» na defesa das suas «causas, da democracia e da liberdade».