O vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS Pedro Marques, responsável na bancada socialista pelas áreas de orçamento e finanças, renuncia ao seu mandato de deputado a partir de segunda-feira para exercer funções no setor da consultadoria.

Deputado eleito pelo círculo de Portalegre nas últimas eleições legislativas e secretário de Estado da Segurança Social nos governos liderados por José Sócrates entre 2005 e 2011, Pedro Marques comunicou hoje formalmente a sua decisão de renúncia ao presidente em exercício da Assembleia da República, o social-democrata Guilherme Silva.

Pedro Marques, que nas eleições primárias socialistas de domingo esteve ao lado da candidatura vencedora de António Costa, afirmou à agência Lusa que a sua decisão de renunciar ao mandato de deputado «é uma opção de natureza exclusivamente profissional, depois de ter estado muito tempo em funções políticas em exclusividade».

«Num momento em que se inicia um novo ciclo político no PS, tomo esta decisão», justificou o vice-presidente da bancada socialista.

Pedro Marques disse ainda que esta sua decisão de renunciar ao mandato de deputado, para regressar ao setor da atividade que desempenhou antes do exercício de funções políticas, estava prevista para ser tomada logo após as eleições para o Parlamento Europeu, em maio passado.

«Porém, com a candidatura de António Costa às eleições primárias do PS, essa minha decisão ficou em suspenso para colaborar com o seu esforço de vitória. Chegado ao fim o processo interno do PS - e com o conhecimento de António Costa -, abandono a vida política ativa», declarou o ex-secretário de Estado dos ministros socialistas Vieira da Silva e Helena André.

Apesar de se afastar da primeira linha da política ativa, Pedro Marques ressalvou que continuará «atento à condução dos destinos do país».

Interrogado pela agência Lusa sobre a circunstância de abandonar a Assembleia da República mesmo antes de se iniciar a discussão da proposta de Orçamento de Estado para 2015, o vice-presidente da bancada socialista para as questões financeiras desdramatizou a situação.

«O novo presidente do Grupo Parlamentar do PS, Ferro Rodrigues, está intimamente ligado às questões económicas e financeiras», respondeu.