O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou hoje que a contribuição da sua tutela para os cortes de 1.400 milhões de euros anunciados na terça-feira é de 170,8 milhões de euros.

António Pires de Lima está a ser ouvido na comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas.

«Posso dizer que o contributo do Ministério da Economia para estes 1.400 milhões de euros [das medidas anunciadas na terça-feira pelo Governo] foi de 170,8 milhões de euros», afirmou o governante.

Daquele montante, 139,7 milhões de euros «tem a ver com reestruturação de serviços ou concessões», adiantou o ministro.

«Temos estimado poupar 1,2 milhões de euros com as extinções das direções regionais de economia», que já constavam na lei orgânica desde dezembro de 2013.

O projeto das concessões, nomeadamente dos transportes metropolitanos de Lisboa e Porto, «vai permitir, segundo o ministro, uma poupança estimada «entre 80 a 85 milhões de euros» em indemnizações compensatórias.

O setor empresarial dos transportes melhorou a rentabilidade em 250 milhões de euros nos últimos três anos, disse.

Em relação à fusão entre a Refer e as Estradas de Portugal, Pires de Lima disse que «é um projeto que vai para a frente», já que «obedece a toda a lógica e racionalidade».

E através desse projeto, além de uma gestão integrada das duas infraestruturas, vai-se «conseguir poupanças importantes».

«Estimamos próximo de 50 milhões em 2015 e depois irão crescer mais de 115 milhões de euros» no quinto ano após a concretização da fusão (2019), acrescentou o ministro.