O primeiro-ministro português afirmou, esta sexta-feira, que investimentos recentes de empresas japonesas em Portugal demonstram confiança na economia portuguesa. Pedro Passos Coelho considerou que o Japão está a contribuir para a recuperação económica mundial.

De acordo com a Lusa, o chefe do Executivo PSD/CDS-PP recebeu esta sexta-feira na residência oficial de São Bento, em Lisboa, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. No final do encontro, que durou cerca de uma hora e quinze minutos, os dois políticos fizeram declarações à comunicação social, lado a lado, não tendo havido direito a perguntas dos jornalistas.

Pedro Passos Coelho considerou que esta é uma visita histórica, por ser a primeira deslocação oficial de um chefe de Governo japonês a Portugal. O primeiro-ministro referiu ter aceitado um convite de Shinzo Abe para visitar o Japão, em data a definir, e lembrou a antiguidade das relações entre os dois países.

«Sabemos que os laços que nos unem são fortes e ancestrais, assentes em valores e princípios fundamentais, tendo sido comemorados no ano passado os 470 anos dos primeiros contactos entre Portugal e o Japão. Homenageando este nosso passado comum particularmente marcante, o senhor primeiro-ministro Abe terá amanhã [sábado] oportunidade de visitar Sintra e Évora, reconstituindo parte do percurso que uma missão de jovens missionários japoneses efetuou ao nosso país há mais de 430 anos», declarou.

De acordo com Passos Coelho, «a vertente económica ocupou grande parte» deste encontro bilateral.

A este propósito, o primeiro-ministro português afirmou que «os investimentos mais recentes de empresas japonesas em Portugal são um sinal claro de confiança [destas] na economia portuguesa», sem dar exemplos.

Por outro lado, acentuou o empenho de Portugal na conclusão do Acordo de Parceria Económica e no Acordo de Comércio Livre entre a União Europeia e o Japão e disse esperar que haja «novos desenvolvimentos» nesta matéria «já no quadro da Cimeira entre a União Europeia e o Japão que terá lugar no próximo dia 07 de maio».

Como provas da «vontade dos dois governos em melhorar o clima de negócios», Passos Coelho apontou «a recente entrada em vigor do acordo de dupla tributação e o levantamento do embargo japonês à importação dos produtos portugueses de origem suína».

No final da intervenção, Passos Coelho deixou um elogiou ao homólogo japonês: «Não queria deixar de realçar o rumo que o primeiro-ministro Abe está a dar à economia do Japão, que tem contribuído para a dinâmica de recuperação mundial».

«Apreciamos igualmente a sua determinação em reforçar cooperação com União Europeia no âmbito da segurança e da defesa», acrescentou.