Augusto Santos Silva considera que a possível escolha da ministra Maria Luís Albuquerque para próxima Comissária Europeia é uma forma do primeiro-ministro se precaver contra uma eventual derrota para o PS nas legislativas.

No programa «Política Mesmo» da TVI24, Santos Silva afirmou que apesar de Passos Coelho ter dito que o Governo está à procura de um nome que seja consensual entre a maioria e a oposição, a escolha da ministra das Finanças prova o contrário, uma vez que Maria Luís Albuquerque não seria uma opção bem-vista pelo Partido Socialista.

«Se o Dr. Passos Coelho está a falar verdade quando diz que quer ouvir o Partido Socialista e quer que a escolha portuguesa para a Comissão Europeia seja o mais consensual possível, essa declaração é incompatível com a escolha da Dra. Maria Luís Albuquerque. Aliás (...) porque a Dra. Maria Luís Albuquerque é justamente a campeã das políticas do Eurogrupo na sua versão mais radical», disse Santos Silva.

Augusto Santos Silva falou ainda sobre o BESe levantou a hipótese de o Banco Espírito Santo não ter recorrido aos fundos da troika para não se descobrirem os problemas que agora vieram a público.

Apoiante confesso de António Costa, Santos Silva alerta para a posição de D. Sebastião a que o candidato às primárias do PS se está a deixar colocar.

No comentário de terça-feira à noite, na TVI24, Augusto Santos Silva não esqueceu a greve da TAP, considerando que pode estar relacionada com o desejo do Governo de privatizar a companhia aérea.