Manuela Ferreira Leite afirmou, esta quinta-feira, no programa “Política Mesmo” da TVI24, que é impensável a ideia de se fazer agora uma revisão constitucional.

A comentadora da TVI reagiu assim às declarações do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que sugeriu a dissolução do parlamento e a realização de novas eleições.

"Não posso considerar sequer pensável ou considerar isso um tema: uma revisão constitucional neste momento. Agora o PS vai de repente fazer uma revisão para haver eleições?"


Manuela Ferreira Leite considerou ainda que Cavaco Silva ainda não teve tempo para tomar uma decisão sobre o governo porque "isso não se faz em 48 horas nem se faz sem ouvir as forças do país".

"Era possível nestes dois dias que o Presidente da República tomasse uma decisão simplesmente com aquilo que lhe passasse pela cabeça sem genuinamente ter de ouvir as forças sociais? Até porque para dar posse a um governo, tem de saber o que é que o país espera de um governo e se esse governo assume ou não assume esse compromisso daquilo que as pessoas esperam".


Sobre a privatização da TAP, Manuela Ferreira Leite acredita que o Partido Socialista pode permitir a conclusão do negócio, abdicando assim da reversão da venda, uma vez que o partido sabe que "a reversão da privatização implicaria com certeza umas indemnizações pesadíssimas"

Para a comentadora da TVI, o problema da transportadora aérea pode ser um desafio à solidez do acordo celebrado entre PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes.
 

"[Caso o PS desista] Se o PCP e o BE se mantiverem no seu propósito de até apresentar diplomas na Assembleia na República no sentido da reversão da privatização da TAP e o PS não o fizer, em todo o caso, podia ser um pretexto para haver um rompimento nos acordos assinados. E se não houver poderá ser, pelo menos a ideia, é que o acordo é apenas para manter o PS em minoria no governo".