O social-democrata Paulo Rangel considera, quanto às presidenciais, que os timings estão bem desenhados em relação aos potenciais candidatos do PSD: se Rui Rio quiser entrar na corrida a Belém deverá apresentar a candidatura antes das legislativas porque, depois disso, o espaço está “marcado” para Marcelo Rebelo de Sousa.

“Rui Rio para se apresentar devia apresentar-se antes das legislativas. Se se deixarem passar as legislativas, o candidato do PSD é Marcelo Rebelo de Sousa, que já marcou esse espaço. Passando as legislativas, a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa é inevitável.”


Ambos os candidatos são para o comentador do programa "Prova dos 9", da TVI24, dois excelentes candidatos. Mas, por isso mesmo, deixou um aviso: quando se tem dois bons candidatos, corre-se o risco de ficar sem nenhum.

“Às vezes quando se tem dois bons candidatos corre-se o risco de ficar sem nenhum, que foi o que aconteceu ao PS, que tinha António Guterres e Jaime Gama, e, aparentemente, ficou sem nenhum. […] Espero que nesta hesitação e ponderação não cheguemos ao fim como o PS a ter de apoiar um candidato do tipo Sampaio da Nóvoa.”


Sampaio da Nóvoa que suscita dúvidas a Francisco Assis. O socialista disse que ainda não está convencido sobre a inevitabilidade de o PS ter de apoiar o antigo reitor da Universidade de Lisboa. Mais, Assis considera que Sampaio da Nóvoa, que se posiciona entre os socialistas e os partidos mais à esquerda, não se encontra "no melhor lugar" da esfera partidária.

“Não estou convencido dessa inevitabilidade. […] Eu continuo a pensar que o que falta neste leque de candidatos é uma representação do setor do centro-esquerda. A esquerda ganharia se tivesse um candidato que se posicionasse mais ao centro.”


Já Fernando Rosas comentou o facto de Carvalho da Silva não entrar na corrida a Belém, destacando que este “perdeu tempo em relação ao desenvolvimento dos acontecimentos”. Caso haja uma segunda volta, o comentador da "Prova dos 9" considera que Marcelo Rebelo de Sousa é o melhor candidato da direita mas, ainda assim, a esquerda ganha as eleições

“Se acontecer uma segunda volta a esquerda ganha as eleições. Resta saber se há ou não segunda volta. Na iminência de uma luta decisiva a tendência será para concentrar os votos.”