No seu comentário na 21ª Hora da TVI24, Cunha e Sá disse que, tendo em conta a popularidade do ex-presidente do PSD, não há para já outro que possa fazer-lhe frente, daí que não faça sentido que o partido não apoie o candidato “natural”.

 

“Se não houver dois candidatos, se o Rui Rio acabar por não se candidatar, não faz sentido haver liberdade de voto, e o PSD tem mesmo de apoiar o candidato natural, que eu penso que é Marcelo Rebelo de Sousa. (…) Tendo em conta as sondagens, a popularidade e a notoriedade de Marcelo Rebelo de Sousa, acho que neste momento não estou a ver quem possa fazer-lhe frente.”

No entanto, a comentadora da TVI destacou o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ter apresentado a sua candidatura sozinho, “sem um amigo” e sem “subordinação a nenhum partido”, o que serviu para reforçar a ideia de um candidato independente.

“A informalidade com que foi apresentada esta candidatura é inédita. Nunca tinha visto uma forma tão informal de alguém se apresentar, [o que é positivo]. Apresentou-se sozinho, e acho que quis vincar exatamente a ideia da independência e de não estar subordinado a nenhum partido.”