Henrique Medina Carreira acredita que o Governo de Pedro Passos Coelho vai perder as próximas eleições legislativas para o Partido Socialista, e não aposta numa coligação entre António Costa e o primeiro-ministro para formar um Governo de maioria absoluta.


No programa «Olhos nos Olhos» da TVI24, Medina Carreira comentou a opinião do Presidente do Fórum para a Competitividade, Pedro Ferraz da Costa, sobre a necessidade de vir a existir um «compromisso» entre partidos pelo país, e diz não acreditar nessa possibilidade, a não ser que seja uma "imposição" internacional.
 
«Eu admito que venha a existir um compromisso, mas é da pior forma possível. Que sejam os estrangeiros a dizer: "nós só auxiliamos se formarem um Governo maioritário através de um compromisso". Não me admira nada que caiamos nisso, e se não houver outra [solução] melhor, venha essa. Mas [um compromisso] espontâneo, dr. Costa com dr. "X", vai ser difícil».
 
Com esta expressão, Medina Carreira está já a pressupor uma vitória Socialista e justifica a sua antevisão com a dificuldade de qualquer Governo conseguir resistir depois de uma crise como a que o país viveu nos últimos anos, acrescentando que Passos Coelho seria um «herói» se conseguisse um novo mandato.
 
«É difícil qualquer Governo resistir a uma crise destas. Se Passos Coelho conseguisse salvar-se no meio disto tudo era um herói. Com as pensões, os salários, tudo isto em cacos… [Uma vitória do Partido Socialista] é o mais provável, e com facilidade», disse o comentador da TVI24.