Paulo Rangel disse, esta quinta, na TVI24, que o PSD não devia ter apoiado a reposição das subvenções vitalícias a antigos políticos, aprovada no Parlamento também com os votos do PS. O eurodeputado social-democrata afirmou que, avançar com uma medida deste tipo, nesta altura, «é um mau sinal».
 
No programa «Prova dos 9», Paulo Rangel ressalvou que a medida aprovada, no Parlamento, pelos dois maiores partidos, «não é um acordo com o PS», mas sim «uma convergência com o PS» por uma «questão de oportunidade política».
 
Independentemente de perceber que pode haver alguma justiça relativa por detrás do raciocínio das pessoas que decidiram pela medida, Paulo rangel discorda por completo: «Acho mau. Acho um mau exemplo, acho um mau sinal, acho que é inoportuno nesta altura».
 
«Sinceramente, eu acho que ficava bem ao PSD nesta altura, por causa dos sacrifícios que ainda estão a ser exigidos aos portugueses e porque esta é uma matéria extremamente controversa e sensível e simbólica (…), eu, neste caso, manteria a posição que existia antes e não a alteraria. Acho que é um mau sinal tê-la alterado», rematou.