«Percebe-se que se está a formar no país um certo consenso, pelo menos relação à vantagem de antecipar as eleições para maio ou junho»