“Estamos já numa fase de tal forma avançada que acho extremamente difícil que seja possível recuar. Mas também considero que a responsabilidade que António Costa vai assumir, não só perante o partido, mas isso é problema dele, mas perante o país, é de uma grandeza incomensurável, porque é uma responsabilidade que advém do facto de assumir que vai fazer um acordo para o qual a maioria das pessoas considera que não votou, que é contra uma parte, provavelmente significativa, do próprio partido, e que deita abaixo um Governo que ganhou eleições. Imagine-se o que é que se lhe exige de Governo para que as pessoas pensem que, afinal, valeu a pena”