O ex-ministro das Finanças, Medina Carreira, disse, esta segunda-feira que os «os maiores partidos estão em queda» e que as novas forças políticas que têm surgido na Europa não têm «realismo».

Esta queda acontece porque quando «estes partidos tiveram em alta quando a economia permitia fazer coisas, entre aspas, boas: dar pensões, dar salários, dar liberdade, enfim, tudo aquilo que é bom».

No seu comentário semanal no programa «Olhos nos Olhos» da TVI24, Carreira acrescentou que «hoje esses partidos estão em desgraça porque não o podem fazer, e não podem porque não há economia».

Sobre os mais recentes movimentos políticos que têm emergido na Europa, como o espanhol PODEMOS ou o grego Syriza, Medina Carreira disse que «vêm prometer algo que não conta com a economia que temos», além disso se «chegassem ao poder, eles baqueavam da mesma maneira que os outros todos, mais rapidamente até porque têm menos implantação».

O jurista terminou ainda acrescentando que «não vale a pena perder tempo com essa gente. Não tem realismo, não têm experiência da política e assentam num tipo de políticas que agrada».