As desculpas ministeriais apresentadas esta semana por Paula Teixeira da Cruz e Nuno Crato foram esta noite um dos temas de comentário de Marcelo Rebelo de Sousa.

Para o comentador da TVI, tratou-se de um exercício de humildade teatral e que não resolve o problema político. Para Marcelo Rebelo de Sousa, os problemas na justiça e educação vão ter um preço nas eleições.

«Foi um exercício de humildade, mas é um exercício teatral de humildade», referiu.

Outro tema de comentário foi o caso Tecnoforma que envolve Passos Coelho. Marcelo Rebelo de Sousa não acredita que tivesse havido violação intencional da lei mas considera que eventuais desleixos já não são tolerados como no passado.

«[Passos Coelho] Não fez isso intencionalmente», afirmou.

Sobre as primárias do PS, Marcelo Rebelo de Sousa considerou a campanha «muito fraca» e afirmou que o mais provável é que António Costa vença com uma vantagem nunca superior «a dez por cento».

Na opinião do comentador da TVI, António José Seguro foi «desastroso» ao recorrer à reforma da lei eleitoral, que salientou que a «demagogia» de António Costa «nunca saiu bem» e que este assumiu uma «postura fria e racional» durante toda a campanha.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou para deixar um recado a Passos Coelho.

«Vejo os partidos como uma família, ou um clube, nunca quero que o meu perca. Seja com o líder a, b ou c...», afirmou Marcelo.