«As políticas de austeridade que foram impostas a determinado tipo de países foram absolutamente cegas e sem permitir qualquer espécie de alternativa, isto é, houve uma imposição de uma ortodoxia verdadeiramente fanática sem nenhuma consideração de natureza social.»

Para a comentadora da TVI24, os gregos correram um risco ao eleger o partido de esquerda radical e esse risco é um sinal do desespero em que vivem.

«Este risco que o povo grego correu é um sinal do desespero. É uma grande vitória da democracia.»

Manuela Ferreira Leite considera que depois deste resultado, a Europa tem de agir para encontrar um equilíbrio e evitar «posições extremadas».

«É impossível que a Europa não pondere qual é que é o equilíbrio que vai ter de introduzir para que não cheguemos a posições extremadas nem de um lado nem do outro.»

A comentadora da TVI24 afirmou ainda que as políticas de austeridade em Portugal destruíram a classe média e que não concorda com a ideia de que o país tem de viver sob a ameaça de que é preciso pagara a dívida a qualquer custo.