«O ministro Mota Soares limitou-se a dizer que a culpa era dos funcionários, (…) mas não disse aquilo que devia, e que é: o que é que ele fez para resolver o problema das pessoas que foram vítimas desses erros. Como é que ele resolveu o problema? Recompensou as pessoas que foram lesadas? O que é que ele fez? Isso não disse. Provavelmente não fez nada. Para defender o primeiro-ministro (…) não se importou de enterrar a administração pública e os funcionários dessa administração», criticou a comentadora.

Para Manuela Ferreira Leite, o incumprimento de Pedro Passos Coelho tem de ser visto como um problema político.

 

«Não é um problema de natureza pessoal. Em termos pessoais, diria que qualquer pessoa pode cometer erros (…). Acho que é um problema político porque vem da boca de alguém que impôs regras completamente diversas e que penalizou a opinião pública através de discursos contrários aquilo que é a sua ação», rematou.