A antiga presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, avaliou a polémica criada pelas entrevistas do candidato à Câmara de Loures, André Ventura. No seu comentário semanal na 21.ª Hora da TVI24, considerou que, face ao que disse sobre a comunidade cigana, "não era mais candidato pelo partido".

Estigmatiza grupos, o que pode redundar em coisas piores. É um erro sem dimensão, que ficou agravado com as declarações posteriores que o candidato fez. Falou como canddato à Câmara de Loures, logo falou como elemento do partido", disse Ferreira Leite, considerando que o PSD "não pode subscrever aquele tipo de declarações"

Para Manuela Ferreira Leite, o candidato André Ventura "prestou o pior dos serviços que podia prestar ao PSD".

Não tenho dúvidas de que o partido nunca foi na vida racista, nem xenófobo. Mas também nunca estigmatizou qualquer grupo étnico ou professional", lembrou a antiga ministra, reconhecendo ter ficado "uma ferida, uma cicatriz".

Ferreira Leite salientou que André Ventura "poderia ter dito como candidato à Câmara, o que iria fazer para que não haja subsídios mal atribuídos". "Mas não diz nada do que vai fazer e atribui todos o males a um determinado grupo, que não é o único que não paga as rendas de casa".

Acho que o partido já foi empurrado para a direita e agora só faltava ter o carimbo de populista", lamentou Manuela Ferreira Leite, para quem "Passos Coelho devia ter cortado o mal pela raiz", afastando o candidato à Câmara de Loures.