“Não podia ter sido outra a decisão que o Presidente da República tomou. (…) É poder do Presidente da República e indigitou a única pessoa que legitimamente deveria ser indicado como primeiro-ministro porque foi o líder do partido mais votado."

Perante a instabilidade governativa que se adivinha, Manuela Ferreira Leite diz que será inevitável que Passos Coelho tente uma aproximação ao PS: “A única forma que ele tem de Governar em minoria e evitar que o Governo seja deitado abaixo ao fim de 15 dias, que evidentemente não é bom para o país, (…) é tentar uma aproximação ao Partido Socialista.”

 

“Ou o governo cai imediatamente porque nem sequer é aprovado o programa ou se ele for deixado passar terá que ter evidentemente uma atuação de compromisso permanente.”

Manuela Ferreira Leite considera que “poderia haver a opção de um Governo de gestão, caso houvesse a possibilidade de transformar esse Governo de gestão num outro Governo a curto prazo”, mas sublinha que o país não aguentaria um Governo de gestão “durante oito meses”.