Manuela Ferreira Leite considera que Portugal não vai conseguir fugir à reestruturação da dívida pública. Na 21ª Hora, a comentadora da TVI24 defendeu ainda que é inevitável que as instituições ajudem os países em dificuldades.

Se eu lhe devesse dinheiro a si, a sua confiança em que eu lhe pagasse tinha de estar na base de que eu estava a trabalhar e a receber qualquer coisa. Se percebesse que eu por mais que trabalhasse, a minha riqueza não aumento, podia ficar à espera sentando porque nunca lhe pagaria. E portanto, se calhar chegava à conclusão que o melhor que tinha a fazer era ver se me ajudava para eu arranjar meios de enriquecer porque talvez daí resultasse dinheiro para eu lhe pagar. Fora disso, vai ficar a olhar para mim que eu não lhe vou pagar. Não porque não quero, mas porque não posso. É isso que está a acontecer nos países em que nós nos incluímos", afirmou Manuela Ferreira Leite. 

A comentadora defendeu ainda que, "como não há crescimento, não há forma de pagar a dívida" e por isso "a amortização" da mesma está "a engolir a capacidade de cada um dos países poder crescer".

É um beco sem saída", considerou.

Falando ainda sobre a posição dos partidos de Esquerda sobre a reestruturação da dívida, Manuela Ferreira Leite defendeu ainda que o discurso não pode ser "não pagamos".