"Nas matérias económicas, as mais difíceis, acrescentou muito pouco, não acrescentou verdadeiramente nada. Quanto a propostas em concreto, até face à Agenda para a Década, é muito contido"

O comentador da TVI deu o exemplo do caso da TSU, que "fica por esclarecer", tal como o caso do IRS: "Não se quer comprometer em aumentar a progressividade".

A mensagem que quis passar foi fundamentalmente outra, segundo António Costa:

"Quis, de alguma forma, cristalizar a ideia da diferença face ao atual Governo. Quem quer uma alteração das condições de governação e do caminho tem que votar no PS"