O diretor do jornal «Observador», David Dinis, afirmou esta terça-feira na TVI24 que o nome de Sampaio da Nóvoa na corrida às Presidenciais é «tudo menos consensual» e não consegue unir as várias alas do Partido Socialista.

«É tudo menos um nome consensual. Ele não é conhecido dos portugueses. [...] Mesmo do ponto de vista discursivo não sabemos ao que vai. [...] O PS está com grandes dificuldades em encontrar alguém que possa convencer e unir as diferentes alas do PS»


A TVI apurou que Sampaio da Nóvoa já sabe que conta com o apoio de António Costa. No entanto, o PS recusou fazer comentários sobre esta matéria, afirmando que só se vai pronunciar «no momento próprio».

Para David Dinis os socialistas continuam «estranhamente atrapalhados» em encontrar um candidato quando deviam estar concentrados nas legislativas.

O comentador acredita que se António Guterres quisesse apresentar a sua candidatura já teria «dado sinal» nesse sentido. 

Caso a ausência de Guterres e o apoio do PS a Sampaio da Nóvoa se confirmem abre-se, segundo David Dinis, uma auto-estrada para Marcelo Rebelo de Sousa.

«Sem Guterres e com Sampaio da Nóvoa apoiado pelo PS há uma auto-estrada para Marcelo Rebelo de Sousa. Toda a gente já percebeu que Marcelo tem condições para ser candidato. [...] Tem uma enorme popularidade e acho que tem mais votantes à esquerda do que se imagina.»



O comentador sublinhou o facto de as legisltaivas e as presidenciais ocorreram com um intervalo de tempo muito curto, considerando, por isso, que os dois atos eleitorais se vão «misturar naturalmente».

«Uma eleição vai misturar-se naturalmente com a outra. As presidenciais vão depender das legislativas.»