Constança Cunha e Sá analisou a declaração da reunião do Eurogrupo na qual os ministros das Finanças da zona euro admitem a necessidade de redução dos impostos diretos sobre o trabalho em países como Portugal.

«Nós temos o pior de dois mundos. Não tivemos uma reforma do Estado feita com princípio, meio e fim, mas houve cortes na despesa feitos a eito, de forma cega, sem qualquer horizonte ou estratégia, e aumento de impostos», afirmou, na TVI24.

A comentadora salientou que, entre as opções do Governo, «o que não foi inconstitucional, foi feito às cegas» e que o resultado é criticável: «Não temos uma reforma que torne o Estado mais ágil».