Constança Cunha e Sá disse, esta quinta-feira, que a reforma do IRS e da Fiscalidade Verde, aprovada em Conselho de Ministros, é um «exercício de propaganda» do Governo. Na TVI24, a comentadora defendeu que medidas como o eventual reembolso em 2016 da sobretaxa do IRS ou os benefícios fiscais para quem filhos são uns «pozinhos» que servem para esconder o ponto essencial de que não há alívio fiscal no Orçamento do Estado para 2015 e de que os contribuintes até vão pagar mais impostos no próximo ano.

«Isto é propaganda pura. O que estamos aqui a assistir é um exercício de propaganda (…) porque o Governo quer esconder que não houve alívio fiscal nenhum. E então, primeiro, inventou o eventual reembolso da sobretaxa. E agora apareceu mais outro número de propaganda que é a reforma do IRS», disse a comentadora no espaço de análise nas «Notícias às 21:00».

Para Constança Cunha e Sá, «nesta mini reforma do IRS temos uma ministra a dizer que talvez em 2016 se possa devolver uma parte da sobretaxa do IRS, se as receitas fiscais atingirem um determinado valor. Ou seja, isto é um «se» enorme que disfarça o facto essencial de que em 2015 vai tudo pagar os mesmos ou mais impostos. Tudo o resto são lérias. A fiscalidade verde não é neutra: há aqui um acréscimo de impostos, foram criados impostos que não existiam até agora», explicou.

A comentadora entende que o Governo está a «empurrar com a barriga os problemas para a frente» e, por isso, devia ser demitido. «Este Orçamento do Estado é apenas um amontoado de medidas soltas que servem apenas para o Governo ir sobrevivendo a este último ano. É um Orçamento de sobrevivência política, que cumpre os mínimos, que não consegue descolar da austeridade, até porque a Comissão Europeia não o permite (…), mas ao mesmo tempo tem uns pozinhos para eleitor ver e, no fundo, faz o mínimo dos mínimos», defendeu.