Constança Cunha e Sá considera que o facto de os representantes da troika concordarem com a diretora do FIM sobre a «dose excessiva de austeridade» no caso português «mostra a farsa destas avaliações».



«Admitem que não correu bem, mas exigem que o programa se mantenha apesar dos erros, e o Governo acha normal?», questionou.