Constança Cunha e Sá disse, esta quinta-feira, que seria bom que o Partido Socialista definisse a posição em relação ao dossiê TAP. Na TVI24, a comentadora sublinhou que o que o PS devia explicar é se há interesse ou não em privatizar a transportadora aérea portuguesa, independentemente de Portugal ter ultrapassado já aquilo que lhe era exigido pela troika em matéria de privatização.

«A verdade é que o PS tem tido alguns ziguezagues ao longo dos anos: já defendeu a privatização, tem um memorando que no mínimo é dúbio sobre essa matéria (mas que fala de facto da privatização), agora é completamente contra a privatização e ontem [quarta-feira] António Costa dizia que era preciso um consenso sobre essa privatização», realçou a comentadora.


Para Constança Cunha e Sá, não ficou claro o que o secretário-geral do PS quis dizer quando falou de «consenso».

«Não percebi se ele estava a falar de um consenso agora (…) ou se estava a falar de um consenso depois das legislativas e, aí sim, adiando a decisão. Mas não fiquei com a certeza de que ele não estivesse a falar de agora (…)», reforçou.


Seja como for, a comentadora considerou que «há alguma evolução» na posição socialista.

«No Congresso, António Costa tinha dito (…) que não ia fazer qualquer compromisso com o PSD ou com o Governo, neste caso, antes das eleições legislativas. Aparentemente, ontem [quarta-feira] abriu a porta para um consenso sobre a TAP», explicou.