Constança Cunha e Sá criticou, esta segunda-feira, os elogios do presidente do Banco Central Europeu (BCE) a Portugal. Na TVI24, a comentadora defendeu que as declarações de Mario Draghi fazem parte de um jogo para isolar a Grécia.

«Mário Draghi o que faz é usar Portugal (e Portugal tem-se deixado usar neste jogo), dizendo que Portugal é um caso de sucesso, como se Portugal fosse alguma vez um caso de sucesso. Basta ver que o PIB só é comparável com o PIB de há 10 anos, basta ver o desemprego, basta ver a emigração, basta ver o investimento, basta ver os “cofres cheios” da ministra das Finanças, que estão cheios à custa do empobrecimento dos portugueses», afirmou a comentadora, no espaço de análise nas «Notícias às 21:00».


Constança Cunha e Sá lamentou que o Governo português se tenha deixado enredar no discurso do «bom aluno» e alertou que, no caso de um afastamento da Grécia, Portugal fica na linha da frente.

«Este exemplo de sucesso não tem pés para andar e isto só é usado retoricamente para isolar a Grécia. Quando a Grécia desaparece de cena, nós passamos a ser, pelo menos para o FMI e para a Comissão Europeia, um caso desesperado que não leva para a frente as reformas estruturais», defendeu a jornalista.


Quanto à Grécia, Constança Cunha e Sá revelou que não esperava grandes anúncios do encontro do primeiro-ministro grego com a chanceler alemã. Para a comentadora, o que se viu, independentemente das «declarações piedosas» de Alexis Tsipras e de Angela Merkel, é que «o cerco à Grécia se vai apertando de uma forma cada vez mais violenta».