Constança Cunha e Sá elogiou, esta quinta-feira, a solução encontrada pelo Novo Banco para lidar com os emigrantes lesados, que tinham investido em aplicações do antigo Banco Espírito Santo.

Na rubrica “ Sobe e Desce” da 21ª Hora, Cunha e Sá disse que, ainda que não “seja uma solução ideal”, o presidente-executivo do Novo Banco, Eduardo Stock da Cunha, merece destaque por ter encontrado uma para os cerca de 7.000 emigrantes lesados.

No sentido oposto, - a descer - está o Presidente da República. A comentadora da TVI criticou a atitude de Cavaco Silva, que decidiu não fazer comentários sobre os possíveis cenários pós-eleitorais.

A subir:  Eduardo Stock da Cunha
“A associação dos lesados não concorda, mas a verdade é que 80% aceitaram, estamos a falar de 7.000 pessoas que tinham investido 720 milhões em aplicações do BES. Não sendo uma solução ideal, é uma solução. As pessoas pensaram, vale mais ter um pássaro na mão que dois a voar. (…) Tendo em conta a situação dos lesados ‘do continente’ acho que é um bom exemplo”.
 
A descer: Cavaco Silva
“O Presidente da República reconhece que num período extremamente difícil e importante do país, não consegue ter dez minutos de intervenção que não perturbem ainda mais [a Nação]. Isto para mim é o mais grave num Presidente da República. Estas sondagens apontam para uma grande confusão, com uma multiplicidade de cenários, e o Presidente reconhecer que não pode dizer nada ao país neste momento que não seja interpretado como [falta de imparcialidade], é um atestado de impotência e incompetência que ele passa a si próprio.”