Constança Cunha e Sá disse, esta terça-feira, que a greve na TAP, marcada para quatro dias entre o Natal e o Ano Novo, é um «tiro no pé» que só vai piorar ainda mais a situação da transportadora área portuguesa. Sublinhando que a greve é legal e que os trabalhadores da TAP têm imensas razões para fazer greve, a comentadora afirmou, na TVI24, que as greves servem para defender direitos dos trabalhadores e não para impedir decisões do Governo.

«Embora possam não concordar com o Governo na questão da privatização, o facto é que o Governo está mandatado para isso, politicamente pode fazê-lo. Portanto não me parece que as greves sirvam para inviabilizar posições políticas do Governo», afirmou Constança Cunha e Sá.


Para a comentadora, quatro dias entre o Natal e o Ano Novo são cruciais para a TAP, para a economia do país, para o turismo, para os emigrantes, e uma greve desta natureza só vai piorar ainda mais a situação.

«Independentemente das razões que tenham os trabalhadores, isto vira a opinião pública contra os trabalhadores», defendeu. «Portanto, eu acho que isto é de certa forma um tiro no pé. Porque mesmo as pessoas que estão contra a privatização, ao verem isto, começam por achar que, se calhar, o melhor mesmo é privatizar, para acabar com isto e para haver ordem na companhia», rematou.