A comentadora da TVI24, Constança Cunha e Sá, considera que Pedro Santana Lopes tomou uma decisão acertada ao desistir da corrida às eleições presidenciais do próximo ano, mantendo-se à frente do cargo “muito importante” que ocupa na Santa Casa da Misericórdia.

Na rubrica “Sobe e desce” da 21ª Hora da TVI24, Constança Cunha e Sá criticou, por outro lado, o ministro da Educação, Nuno Crato, por ter autorizado o financiamento de mais 650 turmas do ensino privado, quando o Governo tem vindo a cortar no investimento da escola pública.
 

A subir: Pedro Santana Lopes


“Acho que tomou uma decisão boa. Primeiro, em janeiro, quando se disponibilizou para avançar (…) e agora [quando desistiu]. (…) Até porque acho que não é muito velho e guarda margem de manobra para o futuro. Porque ele está à frente de uma instituição muito importante que é a Santa Casa da Misericórdia, e trocar o certo pelo incerto, ou neste caso o impossível, penso que fez bem.”
 

A descer: ministro da Educação Nuno Crato

“Quem desce é Nuno Crato, não por causa da não colocação dos professores hoje, (…) mas pelo financiamento de mais 650 turmas aos colégios privados. Numa altura em que desce o financiamento na escola pública, chegou-se a falar em cortes de 700 milhões de euros, (…) vemos um aumento do financiamento dos colégios privados.”


“Antes, não se podia financiar colégios privados onde havia oferta pública. Em 2013, o Governo revogou esse requisito, ou seja, a partir daí é possível financiar escolas privadas, mesmo havendo oferta pública. É evidente que isto cria uma desigualdade enorme. (…) Transformas as escolas públicas em guetos e dás às escolas privadas um financiamento que não se justifica”, acrescentou.