Constança Cunha e Sá considera que a intenção do Governo em descer a Taxa Social Única (TSU) para as empresas é uma medida sem «sentido», neste momento, uma vez que se trata de uma alteração que vai beneficiar mais uma vez as empresas, sem impacto direto nos trabalhadores.

A comentadora da TVI24 diz que, uma vez que as empresas já tiveram um alívio no IRC, o próximo passo de alívio nos impostos deve ser do lado dos trabalhadores.

«Nós já vimos o IRC aliviado nas empresas e a maioria [parlamentar] tinha-se comprometido que  seria correspondido também com um alívio do IRS, mas a verdade é que em matéria de IRS não vimos nada. Não houve nada e continuamos a pagar impostos fortíssimos (…), faz algum sentido estar a beneficiar mais uma vez as empresas enquanto os trabalhadores continuam a ver os seus salários [iguais]?»


Para Cunha e Sá, é preciso esperar para ver quais são as reais intenções do Executivo em relação a esta matéria, porque para que a medida tenha um efeito «multiplicador» de emprego, a TSU terá de descer muito.

«Segundo os últimos estudos houve transferências no valor de três mil milhões de euros dos trabalhadores para as empresas. A TSU, foi uma medida que até os próprios empresários consideram que não criou os efeitos que o Governo pretende atingir. Quando Marco António [Costa] diz “isto vai criar muito emprego”, vamos ver. [Temos] de ver quanto é que é preciso descer a TSU para que tenha esse efeito multiplicador».