Constança Cunha e Sá desvalorizou a reunião entre PS e PSD, esta segunda-feira, e considera que «já toda a gente percebeu» que «não é possível» um entendimento entre os dois partidos antes das «legislativas».

A comentadora da TVI24 considera que só «o PSD e o Presidente da República» é que não perceberam que um programa comum não é possível, e que estes encontros são apenas «para português ver».

«Já toda a gente percebeu, a começar pelo PSD, que não é possível nenhum entendimento com o Partido Socialista nas vésperas das eleições legislativas, parece óbvio para toda a gente, só não é para o PSD, aparentemente, e para o Presidente da República. (…) Nas vésperas de uma campanha eleitoral não pode ser feito aquilo que “eles” agora chamam de “plataforma de diálogo permanente”».

Cunha e Sá diz que esta falta de entendimento até pode ser algo positivo, uma vez que a «escolha» dos portugueses nas próximas eleições poderia ser prejudicada se o país tivesse os dois maiores partidos unidos, com o mesmo programa, o que revelaria uma falta de alternativas.

«O que é que o PSD pretende? Pretendia que o PS se sentasse agora à mesa de negociações, fizessem esta “plataforma de diálogo permanente” e chegassem às eleições com um programa comum. Presumo que é isso que o PSD espera que os portugueses acreditem que está a fazer. É para português ver, porque é evidente, e o PS já disse 10 vezes que não vai fazer nenhum acordo até às eleições, o que é compreensível. (…) E ainda bem que assim é, porque seria muito estranho que chegássemos às eleições com os dois principais partidos unidos numa “plataforma de diálogo permanente”. No fundo, seria dizer que não há capacidade de escolha nas eleições legislativas», disse Constança Cunha e Sá.