logotipo tvi24

«A capacidade de influência do Presidente sobre o Governo é nula»

Comentário de Constança Cunha e Sá na TVI24

Por: Redacção    |   2013-03-06 22:17

Constança Cunha e Sá considera que «o ponto fulcral» no regresso às intervenções públicas do Presidente da república nesta quarta-feira «foi explicar o silêncio de dois meses». «Presumo que tenha a agenda preenchida, mas isso não justifica o silêncio», analisa a comentadora da TVI24.

«A capacidade de influência do Presidente da República sobre o Governo é nula», conclui Constança Cunha e Sá acrescentando que as palavras de Cavaco Silva «não são tidas em conta» pelo Executivo. Cavaco Silva é, assim, «o primeiro a reconhecer que a [sua]mensagem de ano novo não teve qualquer influência sobre a atuação do Governo».

As palavras que o Presidente da república «disse há três meses mantêm-se atuais hoje». «O que Cavaco Silva vem dizer é que nada mudou e que ele é impotente», diz Constança Cunha e Sá.

A comentadora da TVI24 considera que o Presidente «devia tirar ilações do facto de não ser ouvido de todo pelo Governo» sublinhando que o Executivo «não ouve ninguém» e que não ser ouvido «não é exclusivo do Presidente da República».

Constança Cunha e Sá afirmou também que a posição do primeiro-ministro a referir que era i>sensato baixar o salário mínimo «demonstra que o Governo não tem resposta nenhuma sobre o desemprego» e também a «insensibilidade perante uma sociedade que está a destruir».

Pedro Passos Coelho «só pode governar em função da Troika». «Há um distanciamento cada vez maior entre o Governo e os portugueses» Pedro Passos Coelho também «tem de tirar ilações disso».

Referindo que «há sensibilidades diferentes no Governo», nomeadamente na relação com o PS, Constança Cunha e Sá diz que o que fica do discurso de Passos Coelho no Parlamento nesta quarta-feira «é um primeiro-ministro obstinado, isolado, que recusa encarar a realidade, que não vai utilizar os instrumentos que a Europa lhe pode dar de mais dívida e prolongamento do défice para aliviar a austeridade, mas sim para carregar mais neste corte de quatro mil milhões».

Partilhar
EM BAIXO: Constança Cunha e Sá na TVI24
Constança Cunha e Sá na TVI24

«Valor do défice é algo para Bruxelas ver»
Comentadora da TVI24 diz que o governo não tem estratégia orçamental
«Europa não tem estratégia sequer para si própria»
Constança Cunha e Sá critica relatório da Comissão Europeia que aponta «falta de estratégia» de Portugal para o pós-troika
«Opção do governo é tornar definitivos os cortes temporários»
Comentário de Augusto Santos Silva no programa «Política Mesmo»
EM MANCHETE
25 de Abril: há 40 anos foi assim
O «dia inteiro e limpo» em sons e imagens: veja aqui a cronologia das primeiras horas da revolução
Fenprof leva vinculação docente ao Constitucional
Miró: Ministério Público trava saída de quadros