No seu comentário semanal no programa «Política Mesmo» da TVI24, Santos Silva diz que a posição do primeiro-ministro é «incompreensível», não deixando de ser coerente com anteriores discursos de Passos Coelho

«A posição do primeiro-ministro português é incompreensível. É o único chefe de Governo que diz em relação à Grécia: “não interessa para nada é um conto de crianças”. A Chanceler [alemã] ficou calada e enviou uma carta de cortesia, o presidente norte-americano disse “cuidado não se pode punir mais os países que foram punidos pela austeridade”, a França e a Itália apoiaram, a Espanha está calada, só o Governo português [tem esta posição]. (…) Está a ser coerente com o Passos Coelho que dizia “o meu programa é o programa da troika”, “fui e quero ir mais além da troika”, o Passos Coelho que em 25 de outubro de 2011 dizia “nós só conseguimos sair desta situação empobrecendo”».

O comentador da TVI24 não acredita que a Grécia esteja à procura de «facilidades», e diz que a Zona Euro deve ouvir o novo Executivo para encontrar uma solução que beneficie tanto gregos como a Europa.

«[A Grécia] não quer o caminho das facilidades. Se nós (Europa) chegarmos a acordo com a Grécia para que o país tenha condições para reformar o muito que tem de fazer internamente, teremos um bom resultado. Teremos um acordo que beneficiará os gregos e a Zona Euro».