Augusto Santos Silva considera que houve más práticas de gestão no Grupo Espírito Santo e na PT.
 

«São más práticas de gestão feitas por gestores que são muitíssimo competentes a fazê-las. Se fossem um bocadinho mais incompetentes a fazer as más práticas de gestão, talvez estivéssemos um bocadinho melhor».


Para o comentador da TVI24, «o que está em causa na destruição do BES e da PT podem ser crimes, ilicitudes, em que há também responsabilidades políticas», mas há sobretudo «sucessivas informações que configuram más práticas de gestão».